terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Desejos Diários


Desejo primeiro que você ame,
E que amando, também seja amado.
E que se não for, seja breve em esquecer.
E que esquecendo, não guarde mágoa.
Desejo, pois, que não seja assim
Mas se for, saiba ser sem se desesperar
Desejo também que tenha amigos
Que mesmo maus e inconseqüentes
Sejam corajosos e fiéis
E que pelo menos em um deles
Você possa confiar sem duvidar
E porque a vida é assim
Desejo ainda que você tenha inimigos
Nem muitos, nem poucos
Mas na medida exata para que
Algumas vezes você se interpele
A respeito de suas próprias certezas.
E que entre eles
Haja pelo menos um que seja justo
Desejo depois, que você seja útil
Mas não insubstituível
E que nos maus momentos
Quando não restar mais nada
Essa utilidade seja suficiente
Para manter você de pé.
Desejo ainda que você seja tolerante
Não com os que erram pouco
Porque isso é fácil
Mas com os que erram muito e irremediavelmente
E que fazendo bom uso dessa tolerância
Você sirva de exemplo aos outros
Desejo que você, sendo jovem,
Não amadureça depressa demais
E que sendo maduro
Não insista em rejuvenescer
E que sendo velho
Não se dedique ao desespero
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor
Desejo, por sinal, que você seja triste
Não o ano todo, mas apenas um dia
Mas que nesse dia
Descubra que o riso diário é bom
O riso habitual é insosso
E o riso constante é insano.
Desejo que você descubra
Com o máximo de urgência
Acima e a respeito de tudo
Que existem oprimidos, injustiçados e infelizes
E que estão bem à sua volta
Desejo ainda
Que você afague um gato, alimente um cuco
E ouça o joão-de-barro
Erguer triunfante o seu canto matinal
Porque assim, você se sentirá bem por nada
Desejo também
Que você plante uma semente, por menor que seja
E acompanhe o seu crescimento
Para que você saiba
De quantas muitas vidas é feita uma árvore
Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro
Porque é preciso ser prático
E que pelo menos uma vez por ano
Coloque um pouco dele na sua frente e diga:
"Isso é meu"
Só para que fique bem claro
Quem é o dono de quem
Desejo também
Que nenhum de seus afetos morra
Por eles e por você
Mas que se morrer
Você possa chorar sem se lamentar
E sofrer sem se culpar
Desejo por fim
Que você sendo homem, tenha uma boa mulher
E que sendo mulher, tenha um bom homem
Que se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes
E quando estiverem exaustos e sorridentes
Ainda haja amor pra recomeçar
E se tudo isso acontecer
Não tenho mais nada a lhe desejar.


(Victor Hugo)





PS: Gente tô atolada de trabalho,
por isso ando demorando tanto a responder vcs.
Mas como dizem, paciência é uma virtude,
cultivem ela por mim até q esse tumulto passe.
Prometo q vou respondendo a medida do possível, ok.
Bjooo a todos
=)

11 comentários:

A.S. disse...

Bia...

Desejo-te menos trabalho, para que possas responder depressa!!!rsrsrs

Beijos!
AL

Bia Ferreira disse...

O Frejat leu o Vitor Hogu com certeza.. lindo texto... verdade indissolúveis... beijossss xaraaaaaa

marinaCavalcante disse...

Muito bonito este texto.

Escolheste super bem.

:D

Pode deixar...
espero sua visita!!!

Ah, também lembrei de uma música
linda do Frejat. Hehehe

Abraços!!!

Angel disse...

rs... Ei, Bia, eu ia dizer que o Frejat se inspirou se texto e criou uma bela música, mas a Bia Ferreira já disse.

Lindas palavras!

Bom trabalho, e que tudo corra bem por ai!

Abraços.

Angel disse...

CORRIGINDO: "se inspirou nesse texto".

Marcos Andrade disse...

Belíssimo Victor Hugo!

Marcos Andrade disse...

Belíssimo Victor Hugo!

A Magia da Noite disse...

Desejar é querer.

cantinho she disse...

Sensacional, adooooooooro esse texto!
Beijoooooooooooooooooo

CARLA FABIANE... disse...

boa noite!


Extensão


Eu busquei encontrar na extensão um caminho
Um caminho qualquer para qualquer lugar.
Eu segui ao sabor de todos os ventos
Mas somente a extensão.

Chorei. Prostrado na terra eu olhei para o céu
E pedi ao Senhor o caminho da fé.
Noites e noites foram-se em silêncio
E somente a extensão.Quis morrer.

Talvez a terra fosse o único caminho
E à terra me abracei esperando o meu fim
Porém tudo era terra e eu não quis mais a terra
Que era a grande extensão.Quis viver.

E em mim mesmo eu busquei o caminho
Na ansiedade de uma última esperança
Eu olhei - e volvi à extensão desesperado
Era tudo extensão.


(Vinícius de Moraes)

Deus,o primeiro poeta! disse...

Bia,que surpresa boa te ver no meu blog!
Esse espaço é interessantíssimo,agradavelmente gostoso e aconchegante...Enfim,lúdico e lírico como a prosa e o verso,no universo nostalgico da pesia das palavras dos poetas...
querida,preserve este cantinho como a essência do teu coração;enfeite seus setimentos,emoções,e transforme as sensações em doces doses de delícias diárias para nós,eus leitores!
Permito-me sonhar,ao ler palavras tão sublimes...
bjo no teu cor~ção de poeta!